Terras portuguesas à vista: visitando Porto em um final de semana

Martina Carvalho - 15/07/2017

Quem nos conhece sabe que adoramos planejar novas viagens e amamos pensar nos próximos destinos que visitaremos. Mas nem tudo são planos, algumas vezes as promoções escolhem nossos destinos: foi assim quando fomos para Itália e o mesmo aconteceu com Porto.

Apesar de Portugal ser nosso vizinho e ser um país que faz parte da nossa história, não estava no topo da nossa lista de places to go em 2016, mas isso não quer dizer que não curtimos. Muito pelo contrário: Porto é uma cidade encantadora!

Compradas as passagens (por apenas 50€, graças a Ryanair) começamos a planejar o que faríamos no final de semana na cidade. E antes mesmo de lermos qualquer coisa sobre o local já tínhamos algumas certezas: beberíamos muito vinho do porto e comeríamos bacalhau e pastel de Belém. Ótimos embaixadores de Portugal, não é verdade?

Como Porto é uma cidade bastante turística e é uma rota comum pela península ibérica, não é difícil encontrar informações sobre o local na internet: o difícil foi decidir entre tantas possibilidades de roteiro e detalhes.

Como sempre, optamos pelo simples: visitar alguns pontos turísticos, mas principalmente viver a cidade. No final, sempre curtimos mais as viagens quando fazemos neste estilo: caminhando sem pressa para chegar. Apesar de que, confesso que, em alguns momentos me bate uma ansiedade: “e se nunca mais voltarmos, preciso conhecer tudo”. O Diego, um perfeito “Lazy Tourist”, aproveita estes momentos para mostrar que não há nada melhor que turistar sentado num bar, tomando um bom vinho e degustando a culinária local… E assim foi a maneira que passamos as melhores partes desta viagem.

E quem disse que não é possível visitar Porto em um final de semana? Aqui contamos os detalhes do nosso roteiro!

Porto em um final de semana – Dia 1: Aeroporto – Airbnb – Francesinha

Chegamos ao aeroporto de Porto na sexta-feira à noite e rapidamente descobrimos a melhor maneira de chegarmos até o nosso Airbnb. Apesar de Porto ser uma cidade pequena, o aeroporto fica um pouco afastado (em torno de 17km do centro), o que faz com que os táxis custem quase o mesmo que aqui em Madrid (em torno de 25€). Assim, o Metro é uma excelente alternativa para sair do aeroporto: é bem organizado, possui comunicação com quase toda a cidade e é muito barato. O sistema é um pouco diferente, pois é preciso comprar um cartão pessoal e depois recarregá-lo. Neste momento, foi muito confortável estar num país que fala a nossa língua, é só virar e perguntar. Por menos de 2,5€ compramos nossas passagens e embarcamos para nossa “casa”.

Demorou em torno de uns 40 minutos para chegarmos ao local onde dormiríamos. Se todos os Airbnbs tem histórias especiais – até já comentei para o Didi reativar o post dos “Personagens do Airbnb” – este em específico foi uma história tragicômica.

Chegamos com a intenção de deixarmos nossas malas e sairmos para curtir a cidade, fato que só se concretizou 2h depois da nossa chegada a casa. Nossa anfitriã, que possuía ótimas avaliações, nos surpreendeu na entrada. Era uma viúva, que estava superando a perda do marido recebendo hóspedes no Airbnb e com isso buscava oferecer uma experiência incrível em troca de novas amizades e de um ombro para desabafar (e ouvido capaz de escutar muitas histórias, socorro!).Nunca ouvimos alguém falar tão rápido sem respirar. Neste caso, não restou outra alternativa: nos solidarizamos e oferecemos exatamente o que podíamos, a nossa escuta por longas 2h. Com isso, saímos para jantar cansados e resolvemos comer algo rápido pela região.

Nossa escolha foi um restaurante (Capa Negra) muito bem avaliado e reconhecido pelas suas Francesinhas. Este lanche local, que foi eleito um dos melhores do mundo, nada mais é que um sanduíche com várias fatias de carne, coberto com queijo derretido, que vem banhado em um molho de tomate e acompanhado de batatas fritas: um fast food português, com certeza!

 Ao entrarmos no restaurante vimos que o prato era um sucesso: todas as mesas compartilhavam alegremente o sanduíche. O garçom até tentou nos influenciar para pedirmos dois, mas nem pensamos na possibilidade, um foi super do suficiente. A francesinha é bem gostosa, vale a pena provar, ainda mais com uma cervejinha gelada. Mas como é um pouco pesado, não recomendo comer uma inteira à noite.

Porto em um final de semana – Dia 2: Airbnb – Caminhando pelos pontos turísticos rumo a Ribeira

Assim que acordamos descobrimos porque nosso Airbnb era tão bem avaliado: um banquete nos esperava para o café da manhã. Será que é por isso que os portugueses chamam o café da manhã de pequeno almoço? Nem se tivéssemos todo o dia para comer conseguiríamos provar tudo que estava na mesa, nos concentramos no suco e nos pasteis de Belém – que por lá são conhecidos como pasteis de nata – e logo estávamos prontos para sair.

Da nossa casa até a Ribeira tínhamos um bom caminho pela frente e, assim, aproveitamos para conhecer a cidade caminhando. O dia estava lindo e pedindo uma caminhada! Neste passeio despretensioso, passamos pela Casa da Música, pelos Jardins do Palácio de Cristal, pelo Museu do Centro Hospitalar do Porto, pela Igreja do Carmo – local em que vimos o primeiro bondinho passar <3 – e pela Universidade do Porto.

Fizemos um pit stop na frente da Torre dos Clérigos, aonde paramos para provar o bolinho de Bacalhau, da Casa Portuguesa dos Pasteis de Bacalhau. Apesar de ser um lugar mais caro e tipicamente para turistas, valeu cada centavo: o bolinho de bacalhau era incrível e recheado com um delicioso queijo da Serra da Estrela, que combinou perfeitamente com o vinho do Porto.

Já descansados continuamos a caminho do Cais da Ribeira.  Desta forma, caminhando pelas ruelas, nos encantamos ainda mais pelas belezas da cidade: aquelas casas debruçadas umas nas outras, umas ruas íngremes e o bondinho passando, que charme! Apesar de algumas partes da cidade serem um pouco decadentes, a arquitetura é incrível e a presença dos azulejos deixa tudo diferente.

No centro andamos pela Praça da Liberdade, onde está à estátua de Dom Pedro IV e que tem prédios lindos a sua volta. Depois paramos um tempo na Estação de São Bento, a fim de apreciar de perto os painéis de Azulejos. De lá subimos a caminho da Igreja de Santo Idelfonso, passamos pelo Teatro Nacional e por fim paramos para umas fotos na Sé Catedral do Porto e na Muralha Fernandina.

Já estávamos cansados de tanto caminhar, quando passamos pela Ponte Luís I, que em minha opinião foi o ponto alto deste dia: esta mítica ponte tem uma vista privilegiada da Ribeira do Porto e da Vila Nova de Gaia. Depois de tirarmos umas fotos incríveis da cidade baixamos para o Cais, paramos em um bar e, com uma taça de vinho na mão, curtimos o pôr do sol com o Rio Douro e a ponte como moldura. No jantar um bacalhau e missão cumprida!

Porto em um final de semana – Dia 3: Passeio de Barco, Ribeira e Gaia

Como tínhamos caminhado bastante no sábado, aproveitamos para acordar mais tarde e tomar o café com calma. Era quase meio dia quando descemos para Ribeira, mas desta vez fomos direto e sem desvios no percurso. Resolvemos aproveitar o dia para fazer o “Cruzeiro das Seis Pontes”: um passeio de barco que sai das margens do Cais e que oferece uma visão bem diferente da cidade.

Tem várias empresas que fazem o passeio e o preço é o mesmo, em torno de 10€ por pessoa. O tour dura cerca de uma hora e o percurso passa pelas principais pontes que unem Porto à Gaia: a Ponte D. Luís, o Mosteiro da Serra do Pilar, a Ponte do Infante, a Ponte D. Maria Pia, a Ponte S. João e, por último, a Ponte do Freixo.

Apesar de não ter grandes emoções, eu curti a experiência de ficar no barco relaxada, só admirando a cidade passar. No caminho, é possível contemplar as casinhas coloridas e desiguais em outra perspectiva, que formam o cartão postal da cidade.

Almoçamos novamente na beira do Rio, mas desta vez em Gaia e depois caminhamos pelas ruas da cidade, que é repleta de Caves de Vinho do Porto. Não chegamos a conhecer nenhuma delas, pois já estava na hora de voltar para casa, mas assim temos um bom motivo para voltar!

Algumas fotos desta viagem: