De Madrid a Brihuega: em busca dos Campos de Lavanda

Martina Carvalho - 09/07/2017
Lavanda Brihuega Madrid

Ver campos de lavanda floridos, se embriagar com o aroma vindo direto da flor e se perder nas tonalidades do lilás: tudo isso era um sonho! E pensávamos que só realizaríamos indo à Provença Francesa, mas estávamos totalmente enganados.

Você sabia que é possível conhecer belíssimos Campos de Lavanda quase ao lado de Madrid? Nós quase não acreditamos quando vimos as primeiras fotos deste paraíso púrpura. Não pensamos duas vezes, colocamos esta rota na nossa agenda de verão e aproveitamos este sábado para fazer esta viagem de bate-volta à Brihuega. Desta vez fomos muito bem acompanhados, com os amigos (e também blogueiros) do That Good Trip, que nos deram várias dicas sobre Guadalajara e sobre viagens. Contamos neste post nossa rota pelos campos de lavandas:

De Madrid a Torija: nossa primeira parada

O trajeto de Madrid a Torija é muito tranquilo e em pouco menos de 1h chegamos à cidade. Esta parada foi estratégica, já tínhamos combinado que antes dos campos de lavanda comeríamos umas tapas no caminho e a cidade pareceu o local perfeito.

Torija é um povoado com menos de mil habitantes que pertence à província de Guadalajara. Entre os seus atrativos está o Castillo de Torija, um lindo castelo do século XV que, reza a lenda, apesar de bastante controversa, foi construído pelos templários. O castelo está totalmente restaurado e atualmente abriga o Centro de Informações Turísticas de Guadalajara e um Museu sobre o livro “Viaje a la Alcarria”, do escritor espanhol, Nobel de literatura,  Camilo José Cela.

O centro conta a história da região, a partir de exemplos do seu patrimônio histórico, artístico e cultural. No nosso caso, que conhecíamos pouco sobre Guadalajara, foi uma aula e valeu muito a pena (a entrada custa apenas 2€). O local é bastante moderno e a partir de recursos audiovisuais e painéis de fotos mostra detalhes desta província espanhola. Tivemos a sorte de estar com a Suzana e o José, que conheciam muito bem a região e complementaram as explicações. Ficamos com muita vontade de voltar à Guadalajara e desbravar mais esta zona do país, que conta com uma natureza muito rica, uma arquitetura única (La Arquitetura Negra de Guadalajara) e uma gastronomia que nos deixou com água na boca.

Por falar em gastronomia, paramos em um bar na cidade e provamos a melhor morcilha que já comemos em nossas vidas: a Morcilla de Caldeira. Este é um prato onde a morcilha vem toda desmanchada, junto com cebola e piñones. Estava uma delícia! E até eu, que sou meio fresca para comida, repeti várias vezes: simplesmente amei!

A parada em Torija foi excelente, pois enquanto estávamos entre o bar e o castelo, o clima mudou e parou de chover, transformando a paisagem chuvosa em um dia nublado.

De Torija a Brihuega: em busca dos Campos de Lavanda

Os dois povoados são vizinhos e em pouco menos de 15 minutos já estávamos em Brihuega. Antes da entrada da cidade avistamos uma modesta plantação e resolvemos parar ali mesmo para fazer nossas primeiras fotos, aproveitando que o sol havia mostrado sua cara! Neste momento, mal sabíamos a imensidão de lavandas que nos esperavam no caminho.

A região de Brihuega conta com a maior plantação de lavanda da Espanha, com cerca de mil hectares, e é considerada uma das maiores produtoras do mundo.

Pensávamos que teríamos dificuldade de encontrar os campos, por isso anotamos todas as coordenadas no GPS. São várias rotas possíveis, mas as maiores plantações estão situadas na CM-2005 e fomos direto para lá. Esta é uma estrada que fica logo depois de Brihuega e há campos de lavanda dos dois lados do caminho.

Conseguimos estacionar o carro em um refúgio, havia bastante gente no local. Na chegada, ganhamos de presente um ramo de lavandas e depois descobrimos que esta tradição começou no século XIX, quando uma camponesa prometeu a Nossa Senhora que se seu filho voltasse vivo da Guerra iria lhe oferecer o melhor ramo de lavanda de sua plantação. Desde então as ruas de Brihuega são cobertas de lavanda quando acontecem as procissões da Virgem de La Peña.

Começamos a desbravar as plantações neste mesmo local, caminhando por pequenas estradas que davam acesso aos principais campos. Estes são propriedades privadas, assim que não é possível colher as flores e a entrada, sem autorização, está proibida. No dia que fomos tinha uma pessoa controlando e cobrando 2€ para entrar nas plantações e tirar fotos.

O entardecer é o melhor momento para fazer fotos, principalmente se o dia está ensolarado: imagina as cores púrpuras das lavandas sendo potencializadas pelas luzes da golden hour! Infelizmente não tivemos a sorte de pegar muito sol, mas sempre que ele aparecia fazíamos uma verdadeira maratona de fotos.

O melhor mês para visitar a região é julho, onde as plantações já estão floridas, com muita cor e aroma. E é neste mesmo mês que acontece uma festa para comemorar o início da colheita. Este ano, o Festival da Lavanda acontecerá no próximo final de semana, no dia 15/07. Neste dia, ao cair do sol, acontecem shows no meio das plantações e as pessoas vão todas vestidas de branco para contrastar com as cores do local. Deve ser uma experiência única e quem sabe no próximo verão nos organizamos para ir.

Para finalizar este dia incrível, caminhamos por Brihuega, que é um povoado cheio de charme e que vale a visita. A cidade já estava toda enfeitada para as festas da próxima semana. Eram várias casas decoradas com fitas de vários tons de roxo e lilás, comércios expondo produtos oriundos da lavanda e um clima bastante festivo.

Se você quer conhecer os Campos de Lavanda este ano, não perca tempo, até o próximo final de semana ainda é possível deleitar-se com tanta beleza.

Algumas fotos desta viagem: