Uma Aventura pelo Parque Natural do Alto Tajo

Diego Canhada - 06/12/2017

A Europa possui cidades tão fascinantes que acabei deixando aventuras no meio da natureza em segundo plano desde que viemos morar em Madrid. De qualquer modo, foi algo temporário que agora deve mudar após nossa experiência em algumas das principais cidades espanholas e capitais europeias.

Embora tenhamos uma lista de lugares a conhecer, também vamos adaptando nossa rota de acordo com oportunidades que surgem: geralmente em função do trabalho, mas também para acompanhar alguma visita que chega à nossa casa ou visitar algum amigo que está pelo continente.

Quando um amigo me disse que viria à Espanha e perguntou-me se não poderíamos fazer algumas trilhas em um final de semana, comecei a buscar algo não muito longe de Madrid e foi aí que descobri o Parque Natural do Alto Tajo, na Comunidade de Castilla-La Mancha: um enorme oásis natural no meio das típicas paisagens castelhanas amareladas e secas.

Saímos sábado cedinho de Madrid e após umas duas horas de viagens, fizemos check-in em uma casa rural bem bacana no pueblo de Molina de Aragón. Com o tempo chuvoso e umas dicas que recebemos na hospedagem, fomos para um lugar que se chamava Barranco de La Hoz: umas impressionantes formações rochosas que formavam uma bela paisagem com as típicas cores da vegetação de outono. Após subir umas escadas construídas sobre as rochas, do alto é possível encontrar umas espécies de cavernas e ter uma visão panorâmica muito bacana.

Como o tempo não melhorou, adiamos a trilha principal e nos deliciamos com a sempre bem vinda comida espanhola, em um restaurante que fica exatamente ao lado dessas escadas e de uma simpática e bela igrejinha no local. Comi um coelho na brasa que foi o melhor até então, regado a um bom vinho da casa. Ainda deu para entrar em uma antiga torre do castelo da cidade, o maior e mais importante da região, e ter uma visão panorâmica de toda sua fortaleza e do pueblo lá de cima. O dia terminou com uma visita a um pequeno e diversificado museu e uma noite de longas e profundas conversas sobre as loucuras da vida!

No outro dia acordamos cedo e após o café no hotel, partimos para tentar encontrar a tal Ruta 8 do parque. Até hoje não sei se encontramos exatamente essa ruta, mas após várias buscas conseguimos encontrar uma trilha que sai de uma pequena ponte entre os pueblos de Poveda e Taravilla, que nos levou pelas margens do Rio Tajo até o que deve ser as maiores atrações do parque: o Salto de Poveda e a Laguna de Taravilla. A trilha é leve e proporciona paisagens legais, mas o mais impressionante é a límpida e brilhante cor verde do rio, que se abre em um belo poço ao chegar à cachoeira. Não encontramos quase nenhum turista no local, o que também é um ponto muito positivo!

Após um almoço por um pequeno restaurante na entrada para o mirante do Salto, que fica do outro lado do rio e não precisa nem de trilha para chegar, voltamos a Madrid, deixei meu amigo no aeroporto e devolvi o carro alugado: uma baita promoção do Rental Cars, que é sempre uma boa pedida quando se aluga com antecedência, pagando entre 20 e 40 euros pra ficar um final de semana ou feriado com um carro.

Uma pequena escapada de fim de semana que apenas fortaleceu o desejo de voltar a fazer mais atividades no meio da natureza e com grande vontade de voltar a esse local em uma época mais quente: fazer essa trilha com a Martinica, tomar um banho naquela água verde esmeralda e curtir o local em alguma hospedagem rural em algum momento de 2018. E como não poderia ser diferente: essa inesperada surpresa aumentou minha curiosidade em conhecer outros parques naturais aqui na Espanha, veremos qual será o próximo!